Chaplin Oculto

Charles Chaplin teve aparições, como convidado, em muitos filmes. A primeira e também a mais importante foi em His Generation, de G. M. Anderson (1915). Enquanto Chaplin estava trabalhando em The Champion, em Niles, Califórnia, "Bronco Billy" Anderson, o pioneiro dos westerns, fez uma aparição numa cena de fogo. Chaplin devolveu o favor, atuando com ele em um drama.
Em The Nut (1921), de Douglas Fairbank, Chaplin foi visto por um momento como ele mesmo. Também ajudou muitas estrelas que trabalharam em Hollywood, de James Cruze (1923) e faturou com o Chorus Of Hollywood Villagers.
Ocupou um dos milhões de lugares na arena, quando os estúdios estavam fechados e toda a Hollywood estava voltada para Ben Hur (1925). Em 1928, fez uma aparição como ele mesmo em Show People, um filme de Marion Davies. A cena estava incluída em Big Parade of Comedy, da MGM (1964).

William Haines, Marion Davies e Chaplin em "Show People" (1928)
William Haines, Marion Davies e Chaplin em "Show People" (1928)
Em 1915, a Essanay fez o curtíssimo Introducing Charlie Chaplin, destinado principalmente a anunciar uma nova obra do ator, quando estava prestes a estrear. Na mesma época, apareceu The Bond, com ele ao lado de Harry Lauder. Um filme feito na América, para obter fundos para o exército inglês.
Em setembro de 1916, The Essanay - Chaplin Revue, foi rodado em cinco rolos. Era uma antologia baseada nos três filmes dirigidos e escritos por Chaplin, com Edna Purviance e Ben Turpin. A história começa com Chaplin salvando uma garota de fazenda. Ele consegue trabalho como um empregado na fazenda e cai de amores por ela. Quando vê que a garota ama outro, retorna para a cidade (The Tramp). Consegue emprego em estúdio de cinema (His New Job). No final do dia vai descansar com Ben Turpin (A Night Out).
Chase Me Charlie, realizado na Inglaterra, em 1918, foi uma seleção de cenas das comédias da Essanay.
Outras compilações de Chaplin incluem La Grande Parade de Charlot (Paris, 1948), com comentários de Georges Sadoul e baseado em Making a Living, His New Job, The Tramp, A Woman, Work, The Bank e Shanghaied.  A britânica Comedy Cocktail, apoiada em A Night in The Show, com sequências de Laughing Gas, His Musical Career e The Perils of Patrick foi feito em 1918. A Night With Charlie Chaplin e The Charlie Chaplin Festival, são títulos representativos englobando filmes curtos de Chaplin. Robert Youngson nos seus filmes nostálgicos When Comedy Was King, Thirty Years of Fun e Days of Thrills And Laughter, incluiu cenas das comédias de Chaplin. Ocorria, na época, muita confusão nos nomes originais dos filmes. isso acontecia, principalmente, quando os filmes eram mandados para um novo distribuidor. Even Keystone, de acordo com Mack Sennett, algumas vezes transformava os antigos títulos para parecerem filmes novos. Alguns filmes eram copiados ou duplicados, cortados, rearranjados e substituídos por novos títulos, a fim de atrair maior público.


Extraído da publicação "nosso amigo Charlie Chaplin", de Alfredo Sternheim e Marcia Kupstas
Revisão de Hallyson Alves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Era Charles Chaplin ateu?

O caso do roubo do túmulo de Chaplin (1978)

A questão de gênero no filme Tempos Modernos (Chaplin, 1936)